Site de divulgação matemática   -   Explicações    -   Vídeos
Matemática online
versão para imprimir - aqui Maurits Cornelis Escher 17/06/1898 – 27/03/1972 M.C. Escher foi um artista gráfico de origem holandesa que viveu no século XX. Nasceu na cidade de Leeuwarden, a 17 de junho de 1898 e veio a falecer em Hilversum, a 27 de Março de 1972. As suas obras ficaram conhecidas pelos seus desenhos impossíveis, pelas ilusões espaciais que concebeu e pelos padrões que desenvolveu. Foi numa visita a Espanha, mais precisamente a Alhambra (1922), no sul deste país, que Escher conheceu e se encantou pelos mosaicos que existem neste palácio de construção árabe. Escher achou muito interessante as formas como cada figura se entrelaçava a outra e se repetia, formando belos padrões geométricos. Este foi o ponto de partida para os seus trabalhos mais famosos, que consistiam no preenchimento regular do plano, normalmente utilizando imagens geométricas e não figurativas, como os árabes faziam por causa da sua religião muçulmana, que proíbe tais representações. Detalhes do palácio de Alhambra De Escher ouviu-se com alguma regularidade que tinha pouca aptidão ou reduzidas capacidades naturais para o desenho e como resultado, a maioria de suas peças levaram muito tempo a serem concluídas, e exigiu dele várias tentativas antes de ficar completamente satisfeito. Na sua juventude, dedicou-se às paisagens, sendo que muitos dos trabalhos foram desenhados a partir de perspetivas incomuns. Ele também fez vários esboços de plantas e até insetos, os quais aparecem regularmente nos seus trabalhos posteriores. A partir de uma malha de polígonos, regulares ou não, Escher fazia mudanças, mas sem alterar a área do polígono original. Através destas alterações surgiram as mais diversas figuras, como homens, peixes, aves, lagartos, todos envolvidos de tal forma que nenhum poderia mais se mexer. Tudo representado num plano bidimensional. Na sua obra destacam-se também os trabalhos que exploram o espaço. Aqui, Escher brincava com o facto de ter de representar o espaço, que é tridimensional, num plano bidimensional, como a folha de papel. Com isto ele criava figuras impossíveis, representações distorcidas e paradoxais. Posteriormente foi considerado um grande matemático geométrico. Nas suas obras é possível visualizar quatro tipos de transformações geométricas: translações, rotações, reflexões e reflexões deslizantes. Embora tivesse sido péssimo aluno a Matemática, através da sua arte conseguiu cativar os mais reputados Matemáticos e, em particular, os geómetras. Observando atentamente os seus trabalhos, apercebemo-nos da complexidade criada, quer geometricamente, quer pelas ilusões imaginadas, o que requer várias observações até serem compreendidos - se é que alguma vez o conseguimos... "É esquisito que eu pareça abordar teorias matemáticas, sem que eu próprio as conheça." Alguns trabalhos 1922-1937 – Período das paisagens O primeiro período onde a sua obra é dominada pela representação da realidade, a maioria das suas gravuras apresenta paisagens e arquitecturas de cidades do sul de Itália e das regiões costeiras mediterrâneas. O auge deste período foi alcançado com a litografa Castrovalva (1930) que representa uma cidade nos Abruzos. Castrovalda (1930) Natureza Morta com Espelho (1934) San Gimignano (1923) Street in Scanno, Abruzzi (1930) 1937-1945 – Período das metamorfoses Este segundo período foi iniciado, em 1937, com a gravura Metamorfose I, onde se assiste à transformação gradual de uma pequena cidade, passando por cubos, numa boneca chinesa. Metamorfose I (1937) A gravura Dia e Noite pode ser considerada como o ponto culminante deste período. Aqui todos os sinais característicos se encontram presente: é uma metamorfose, ao mesmo tempo um ciclo, e podemos ainda observar a passagem de formas bidimensionais (campo lavrado) para tridimensionais (aves). Dia e noite 1946-1956 – Período das gravuras subordinadas à perspetiva A gravura Em cima e em baixo (1947) pode ser considerada o ponto culminante deste período, em que para além da relatividade dos pontos de fuga, são reproduzidos feixes de linhas paralelas como curvas convergentes. Em cima e em baixo (1947) Relativity (1953) Doric Columns (1945) Drawing Hands (1948) 1956-1970 – Período da aproximação ao infinito A gravura em madeira Cada vez mais pequeno I (1956) é um dos pontos altos deste período. Aquela que é considerada a mais impressionante gravura deste período e que é também o ponto culminante de toda a sua obra, é a Galeria de Arte (1956). Segundo a própria opinião de Escher, teria atingido aí os limites máximos do seu pensamento e capacidade de representação. Cada vez mais pequeno (1956) Galeria de arte (1956) Obras 1976 The Magic Mirror of M.C. Escher (Bruno Ernst) 1981 M.C. Escher: His Life and Complete Graphic Work (J.L. Locher) 1989 Escher on Escher: Exploring the Infinite (M.C. Escher) 1996 The Graphic Work of M.C. Escher (M.C. Escher) 1998 Een Biografie (W. Hazeu) 2000 The Magic of M.C. Escher (J.L. Locher e W.F. Veldhuysen) 2004 M.C. Escher: Visions of Symmetry (D. Schattschneider) Sites recomendados https://www.artsy.net/artist/mc-escher http://www.mcescher.com/ http://www.educ.fc.ul.pt/docentes/opombo/seminario/escher/obra3.html http://www-history.mcs.st-andrews.ac.uk/Biographies/Escher.html http://www.mcescher.com/Gallery/gallery.htm
Início Início Sobre Sobre
@2017 por Nuno Rosário
Contacto 965476488 geral@matematicaonline.pt